gototopgototop
 
 
 
Terça-Feira, 27 de Junho de 2017
 
 
Boletim informativo
Assunto: Boletim informativo
Data de Envio: 2010-11-19 14:39:38
Edição Nº: 15
Conteúdo:
head da newsletter do sjpam
.
1

 

 

FAPEAM lança 2ª edição do Prêmio de Jornalismo Científico

Interessados poderão fazer as inscrições até o dia 31 de janeiro do ano que vem.



Profissionais e estudantes da área de comunicação do Estado do Amazonas interessados em participar da 2ª edição do Prêmio FAPEAM de Jornalismo Científico já podem providenciar suas reportagens, fotografias e demais materiais jornalísticos para concorrer à premiação em 2011.

O edital com as regras e todas as informações necessárias aos interessados foi lançado e já está disponível para consulta no (site) da fundação. O prêmio  tem a intenção de incentivar a prática do jornalismo científico no Estado e para isso praticamente dobrou o número de categorias que agora são sete, incluindo as áreas de Impresso, TV Web, Rádio Web, Internet e fotojornalismo, como novidade desta segunda edição.

Oportunidade

Sendo um dos poucos no Estado a reconhecer o trabalho de jornalistas, o prêmio visa incentivar a prática do jornalismo científico no Estado do Amazonas, premiando trabalhos jornalísticos que tenham contribuído, no ano de 2010, para a divulgação da ciência nos meios de comunicação do Estado, estimulando, assim, a cultura de popularização da ciência, tecnologia e inovação.

Para o secretário de Estado da Ciência e Tecnologia e diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), Odenildo Sena, o prêmio é visto como um desafio para os profissionais do Amazonas, estado ainda muito carente em divulgação científica, embora tenha evoluído com a implementação do programa de Comunicação Científica da instituição.

“É um desafio que valoriza o profissional, além de sensibilizá-lo para a cobertura científica. Ficamos muito satisfeitos com a primeira edição e esperamos ainda mais sucesso, agora com a inclusão da categoria fotojornalismo”, destacou Sena.

Segundo o diretor-presidente, o fotógrafo que se dedica a esta área tem um desafio diferente dos demais, sobretudo na escolha dos ângulos da cena científica, na sensibilidade, que implica em conhecimentos de outras especialidades.

Outra novidade desta edição é a criação de duas modalidades: Comunicação Institucional e Comunicação de Massa, o que amplia o número de chances para os concorrentes que atuam com divulgação científica em organizações e instituições de pesquisas e nas empresas essecialmente jornalísticas.  Em cada modalidades os candidatos podem participar das categorias de interesse como Impresso-Jornal, Impresso-Revista, Fotojornalismo, TV e TV Web (reportagem e grande reportagem), Rádio e Rádio Web e Internet.  Para conhecer os critérios e exigências para participação, os candidatos devem consultar o edital.

Julgamento e premiação

Com o aumento de categorias, aumentou também o valor total a ser distribuído em premiação que alcançará o valor de 37,8 mil. O valor da premiação individual, oferecida aos primeiros colocados em cada categoria, será de R$ 3 mil para profissionais e R$ 1, 2 mil para estudantes.

A Comissão Julgadora será composta por cinco membros, sendo um representante da FAPEAM e os demais serão escolhidos dentre profissionais de reconhecida competência e atuação em cada área incluindo, preferencialmente, representantes do Sindicato dos Jornalistas do Amazonas, da Associação Brasileira de Divulgação Científica (ABRADIC), da Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC) e da Associação Brasileira de Jornalismo Científico (ABJC).

Os jornalistas interessados em participar do Prêmio FAPEAM de Jornalismo Científico terão até o dia 31 de janeiro para realizar as inscrições. A divulgação das matérias e dos jornalistas vencedores acontece em 31 de março e a entrega do prêmio será em abril de 2011.

Confira o Edital completo e baixe os documentos necessários para efetivar a inscrição.

Da Ascom da Fapeam

 

Em estudo, Unesco sugere que autorregulação da mídia garante qualidade editorial

Documento disponivel no (site) da instituição, usou como base 275 questionários respondidos por profissionais de imprensa brasileiros.


A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) lança, nesta terça-feira (09), o estudo "Indicadores da Qualidade da Informação Jornalística", onde sugere que a autorregulamentação da mídia é a melhor forma de o veículos de comunicação garantirem a qualidade editorial. O documento foi disponibilizado no site da instituição, e usou como base 275 questionários respondidos por profissionais de imprensa brasileiros.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, os autores do estudo afirmam que existe um consenso razoável no Brasil quanto à importância de se criarem regras para avaliar a qualidade do trabalho jornalístico no país. "Cabe às empresas do setor definir os padrões de qualidade", disse o coordenador de Comunicação e Informação da Unesco no Brasil, Guilherme Canela. Para ele, os indicadores "podem servir como parâmetros para o atual debate sobre mídia".

A Unesco enviou um representante para participar do Seminário Internacional das Comunicações Eletrônicas e Convergências de Mídias, que começa nesta terça em Brasília (DF). O evento discutirá propostas para regulamentação dos meios de comunicação eletrônicos, como rádio, TV e Internet, e terá a participação de dirigentes de agências reguladoras de vários países europeus.

Em junho deste ano, a instituição da ONU expôs um projeto que mapeia o nível de democracia dos veículos de comunicação nos 193 países membros da Organização. A análise será concluída em 2015. A Unesco havia feito uma divisão dos indicadores em cinco categorias de análise das mídias: composição do mercado, conteúdo veiculado, independência profissional, acessibilidade e composição das empresas (privadas, estatais ou públicas).

Do Portal Imprensa

Seminário sobre experiências mundiais de regulação de mídia está sendo transmitido pela internet

Seminário Internacional começou ontem e termina amanhã em Brasília discutindo vários temas.


O governo federal, por meio da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, promove, dias 9 e 10 de novembro, em Brasília, o Seminário Internacional das Comunicações Eletrônicas e Convergência de Mídias para debater os impactos das mudanças tecnológicas, seus desafios e oportunidades na nova era da digitalização. O objetivo do Seminário é fornecer subsídios para legisladores, reguladores, formuladores de políticas públicas e segmentos empresariais e da sociedade civil que atuam no setor da comunicação.

O seminário trará as experiências de regulação no setor de comunicações eletrônicas de vários países, como Argentina, Espanha, Estados Unidos, França, Portugal e Reino Unido, e da União Europeia, além de estudos desenvolvidos pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Participam, como palestrantes, dirigentes e representantes da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), Portugal; da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), Portugal; do Conselho Superior do Audiovisual (CSA - Conseil Supérieur de l´Audiovisuel), França; da Comissão de Mercado das Telecomunicações (CMT - Comisión del Mercado de las Telecomunicaciones), Espanha; da Autoridade Federal de Serviços de Comunicação Audiovisual (AFSCA - Autoridad Federal de Servicios de Comunicación Audiovisual), Argentina; do Office of Communications (Ofcom), Reino Unido; especialistas na área de regulação da Comissão Europeia, da Unesco, da OCDE e da Comissão Federal de Comunicações (FCC - Federal Communications Commission), Estados Unidos.

Estão convidados para o evento entidades da sociedade civil e empresarial, parlamentares, representantes de órgãos governamentais, acadêmicos, especialistas e a imprensa. Em razão da limitação de lugares no local do seminário, não há inscrições abertas. A participação no evento ocorrerá somente mediante convite. Em caso de desistências, novas inscrições poderão ser efetuadas desde que os interessados enviem o nome e o órgão que representam para o e-mail seminariointernacional@planalto.gov.br.

O evento será transmitido ao vivo pelo site do seminário e pela TV NBR.

Veja aqui o programa completo do seminário.

Do SJPMG

Governo pode proibir parlamentar de ser dono de rádio e TV

Anteprojeto de lei para regulamentar a convergência na área de comunicação pode tornar explícita a proibição de deputados e senadores serem proprietários de emissoras de rádio e TV. Texto deve ser concluído até o final do ano.


O anteprojeto de lei que o Executivo prepara para regulamentar as comunicações pode proibir explicitamente a propriedade de emissoras de rádio e televisão por parlamentares. O anúncio, que foi feito pelo ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Franklin Martins, no "Seminário Internacional Comunicações Eletrônicas e Convergências de Mídias", promovido pelo governo nesta semana, já provoca divergências na Câmara sobre a necessidade de a lei prever essa proibição.

O líder do DEM, deputado Paulo Bornhausen (SC), acredita que a Constituição já impede parlamentares de serem sócios de rádio e TV. “Basta cumprir as regras existentes”, disse. De acordo com a Constituição, deputados e senadores são proibidos de serem proprietários, controladores ou diretores de empresa que goze de favor decorrente de contrato com pessoa jurídica de direito público. Como rádios e TVs são concessões públicas, alguns constitucionalistas acreditam que o impedimento já está suficientemente claro.

Porém, segundo o relatório final da Subcomissão Especial de Outorgas e Concessões de Radiodifusão, que funcionou entre 2007 e 2008, esse não tem sido o entendimento das autoridades. Por isso, a subcomissão propõe a criação de uma proposta de emenda à constituição que expressamente proíba parlamentares e outros ocupantes de cargos públicos a ter empresas de radiodifusão. O texto também recomenda, por exemplo, a adoção de uma série de iniciativas para tornar mais transparente o processo de outorga para canais de rádio e TV.

A deputada Luiza Erundina (PSB-SP), que presidiu a subcomissão, é favorável a essas medidas e acredita que, ao elaborar o anteprojeto, o Executivo
deve levar em conta as sugestões do Congresso. “O governo deve estar atentos às discussões iniciadas no Legislativo”. Para ela, o anteprojeto deve contemplar também as diretrizes aprovadas na I Conferência Nacional de Comunicação, em dezembro de 2009.

Convergência tecnológica

O anteprojeto vai propor uma lei geral para o setor de comunicações, incluindo rádio, televisão e telecomunicações. O texto, que está sendo escrito por grupo de trabalho interministerial, será finalizado ainda este ano e entregue à futura presidente da República, Dilma Rousseff. “Ela irá decidir se abre consulta pública ou se envia a proposta imediatamente ao Congresso Nacional”, explicou Martins.

Durante seminário, que serviu para fornecer subsídios ao anteprojeto, o ministro adiantou que a nova norma procurará se adaptar à convergência tecnológica. “Nossa legislação é absolutamente ultrapassada”, disse. O Código Brasileiro de Telecomunicações (Lei 4.117/62), que regula atualmente a radiodifusão (rádio e TV aberta), foi feito quando não havia, por exemplo, satélites ou internet. Já a Lei de TV a Cabo (8.977/95), apesar de mais
moderna, não abarca, por exemplo, a possibilidade de empresas de telefonia oferecem o serviço – hoje, possível graças ao processo de convergência. Já a Lei Geral de Telecomunicações (9.472/97), por sua vez, não contempla regras para a massificação da internet de banda larga.

Segundo Martins, uma das prioridades da nova lei será regulamentar os dispositivos constitucionais referentes às comunicações, como o que prevê o
estímulo à produção de conteúdo audiovisual nacional, regional e independente; e o que proíbe monopólios e oligopólios na mídia.

Produção nacional

O deputado Paulo Henrique Lustosa (PMDB-CE) considera positiva a iniciativa do governo. Para ele, é essencial que o anteprojeto trate as comunicações de forma convergente, a fim de trazer benefícios para o consumidor. Conforme Lustosa, a possibilidade da regulação de conteúdos
é uma questão “sensível” e deve estar restrita a pontos específicos, como impor limites à publicidade e estimular a produção nacional. O parlamentar foi o relator do Projeto de Lei 29/07, que propõe um novo marco legal para a televisão por assinatura. O texto já foi aprovado pela Câmara e, atualmente, está em análise no Senado (PLC 116/10).

Para o deputado Jorge Bittar (PT-RJ), o anteprojeto do Executivo deve ter como prioridades regulamentar a produção nacional independente de conteúdo audiovisual e atualizar a Lei Geral de Telecomunicações, para que esta dê conta do desafio de massificar a internet de banda larga. O substitutivo aprovado ao PL 29/07 já prevê o fomento à produção nacional e independente de conteúdo e o estabelecimento de cotas para esse tipo de conteúdo na TV paga.

“O PL 29/07 estabeleceu um novo paradigma, que pode servir de base para a regulação desses pontos também na TV aberta”, disse Bittar.

Da Agência Câmara

TST garante a trabalhador direito à justiça gratuita

Segundo o ministro José Roberto, a declaração pedindo a gratuidade pode ser apresentada em qualquer tempo e grau de jurisdição.


Os ministros da Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho garantiram a ex-empregado da Alimentos Modernos do Brasil Comércio de Alimentos, o benefício da Justiça gratuita. Essa decisão significa que o trabalhador terá um recurso analisado mesmo não tendo providenciado o recolhimento de custas e despesas do processo.

Quando a sentença de origem julgou improcedente a ação do empregado e indeferiu o pedido de Justiça gratuita, ele recorreu ao Tribunal do Trabalho de São Paulo (2ª Região), sem renovar o requerimento de concessão da Justiça gratuita. Como o trabalhador não recolheu as custas processuais devidas, o TRT entendeu que o recurso estava deserto.

Mas o trabalhador reivindicou o benefício da Justiça gratuita por meio de mandado de segurança. Assim, enquanto o recurso ordinário era julgado por uma Turma do Regional, foi comunicado ao colegiado que a Seção Especializada de Dissídios Individuais do mesmo tribunal autorizara o benefício – num primeiro momento, por decisão liminar, depois cassada, e, em seguida, em caráter definitivo.

Contudo, os integrantes da Turma concluíram que o trabalhador não utilizou o recurso adequado para solicitar a Justiça gratuita, além do mais, a verificação dos requisitos de admissibilidade do recurso ordinário caberia à própria Turma, e não à Seção Especializada do TRT por meio de mandado de segurança.

No julgamento do recurso de revista do empregado no TST, o relator, ministro José Roberto Freire Pimenta, explicou que o artigo 4º da Lei nº 1.060/50 prevê a concessão da Justiça gratuita para aqueles que recebem salário igual ou inferior ao dobro do mínimo legal ou declarem que não estão em condições de pagar as custas do processo sem prejuízo do sustento próprio ou da família.

A Lei nº 5.584/70 (artigo 14, §1º) reafirma que o benefício de que trata a Lei nº 1.060/50 é devido àqueles que estiverem em situação de insuficiência econômica. Portanto, afirmou o relator, presume-se pobre, quem declarar essa condição.

Ainda segundo o ministro José Roberto, essa declaração pode ser apresentada a qualquer tempo e grau de jurisdição, como estabelece a Orientação Jurisprudencial nº 269 da Seção de Dissídios Individuais do TST, desde que, na fase recursal, o requerimento seja formulado no prazo do recurso.

No caso examinado, o relator observou que a parte não renovou o pedido de Justiça gratuita porque o benefício tinha sido concedido em mandado de segurança – o que lhe garantia a isenção do recolhimento das custas processuais. Desse modo, na interpretação do ministro José Roberto, a Turma do TRT não poderia ter desconsiderado essa decisão para declarar deserto o recurso do empregado.

O fato de o pedido da Justiça gratuita ter sido feito no mandado de segurança, e não no recurso ordinário, não invalida o direito do trabalhador ao benefício, destacou o relator. Em reforço, o empregado apresentou novo requerimento no recurso de revista dirigido ao TST.

Por essas razões, a Segunda Turma, em decisão unânime, conforme voto relatado pelo ministro José Roberto, afastou a deserção do recurso ordinário do trabalhador e determinou o retorno dos autos ao TRT para que prossiga o julgamento. ( RR-160100-03.2003.5.02.0014 )

Do SJPMG

Comissão aprova horário gratuito para centrais sindicais em rádio e TV

Proposta aprovada vai garantir dez minutos semanais as centrais sindicais de transmissão gratuita em emissoras de rádio e TV.



Com o objetivo de informar a população sobre a atuação de centrais sindicais, e divulgar a posição de associações sobre temas políticos do país, a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara de Deputados aprovou nesta quarta-feira (17) proposta que garante às centrais sindicais dez minutos semanais de transmissão gratuita em emissoras de televisão e rádio.

O texto aprovado é do deputado Roberto Santiago (PV-SP), em substitutivo ao Projeto de Lei 6257/09, do deputado Vicentinho (PT-SP).

Os programas produzidos pelas centrais deverão ser transmitidos entre 6h e 22h de terça-feira, em formatos de bloco ou inserções de trinta segundos a um minuto durante intervalos da programação das emissoras.

Segundo a proposta, as emissoras terão direito a compensação fiscal pela cessão do horário gratuito. O texto ainda será analisado pelas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e Constituição e Justiça e de Cidadania.

Do Portal Imprensa

 

Sebrae promove terceira edição do Prêmio de Jornalismo

Prêmios variam de R$ 3 mil a R$ 25 mil; inscrições estão abertas até 5 de março de 2011.


Reconhecer os profissionais da imprensa por meio das melhores matérias e reportagens veiculadas na mídia sobre o universo das micro e pequenas empresas no Brasil. Esse é o objetivo do Prêmio Sebrae de Jornalismo, que a instituição lançou nesta quinta-feira (18). Em sua terceira edição, o prêmio vai reconhecer matérias que abordem práticas vitoriosas em pequenos negócios, empreendedorismo, cooperação, competitividade, inovação, políticas públicas e legislação. As inscrições vão até o dia 5 de março de 2011.

Poderão ser inscritas no prêmio matérias publicadas nos veículos de comunicação no período de 1º de janeiro de 2010 a 28 de fevereiro de 2011. Quatro categorias principais serão premiadas: impresso, radiojornalismo, telejornalismo e web, além das premiações especiais Prêmio Especial do Júri Sebrae, Grande Prêmio Sebrae de Jornalismo e Menção Honrosa para fotojornalismo e repórter cinematográfico.

Nesta terceira edição do prêmio, serão ampliadas as oportunidades às mídias de Norte a Sul do País, com a representatividade de todas as regiões. A novidade é que a escolha dos melhores trabalhos vai acontecer em três fases, ao contrário das edições anteriores, em que havia apenas os júris regional e nacional. Desta vez, os trabalhos serão submetidos à apreciação de um júri estadual, que escolherá os selecionados para um júri regional, que por sua vez encaminhará as melhores matérias para o júri nacional.

Os prêmios são de R$ 25 mil para o vencedor do Grande Prêmio, de R$ 12,5 mil para os vencedores das quatro categorias principais e da categoria Prêmio Especial do Júri, e de R$ 3 mil para os vencedores da categoria Menção Honrosa. Os vencedores também receberão também um troféu, e os finalistas, certificados. Além disso, todos os inscritos no prêmio receberão uma assinatura semestral da Revista Imprensa.

A ficha de inscrição, regulamento e informações sobre os formatos de entrega dos trabalhos podem ser encontrados no site www.portalimprensa.com.br/premiosebrae a partir do dia 18. A entrega dos trabalhos e da ficha de inscrição poderá ser feita pelo correio ou pessoalmente na sede da Revista Imprensa, situada à Rua Rego Freitas, 454 – 6º andar, conj. 61 – Centro – CEP: 01220-010 – São Paulo (SP), até a data máxima prevista para a inscrição.

A publicação dos finalistas nacionais – cinco por categoria – será feita pelo Portal Imprensa e pela Agência Sebrae de Notícias em maio de 2011. A divulgação dos vencedores e a entrega dos prêmios serão realizadas em junho de 2011.

Criada pelo Sebrae em parceria com a Revista Imprensa, a premiação conta com o apoio da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação para premiar matérias veiculadas na imprensa nacional e regional relativas aos pequenos negócios.

Do Sebrae

Jornalistas do RN fazem campanha na web por melhores condições de trabalho

Jornalistas RN lançaram campanha na internet fazendo várias reividicações e aumento além de benefícios trabalhistas.



Com um piso salarial de R$ 900, os jornalistas do Rio Grande do Norte lançaram uma campanha na Internet para denunciar o sucateamento da profissão no estado, reivindicar aumento e benefícios trabalhistas garantidos em outras regiões do país.

O blog "Jornalistas do RN em luto" relata o desenrolar da campanha e expõe as reportagens veiculadas na TV Câmara do estado sobre a situação da categoria.

Com apoio de sindicatos de outras categorias, de juízes do Tribunal Regional Eleitoral do estado, da Câmara Municipal e da Assembleia Legislativa, a representação sindical dos jornalistas pleiteia aumento superior ao oferecido pelos patrões, de 3,5% sobre o salário-base. Na prática, as empresas propõem R$ 31,50 de aumento, quando a inflação acumulada do ano é de quase 5%.

"O mais vergonhoso é que os patrões, esse ano, ignoraram os pedidos dos jornalistas, fizeram a pauta deles e estão se fazendo de doidos (...) eles querem retirar conquistas históricas, que são leis trabalhistas. Eles querem, ainda, que os jornalistas tenham uma folga ao mês. Isso é um absurdo. Querem voltar a época da escravidão", declarou Nelly Carlos, presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio Grande do Norte (Sindjorn), durante entrevista à TV Câmara.          

Do Portal Imprensa

 

Leia as manchetes dos principais jornais

Veja os destaques dos jornais de Manaus, do Amazonas, do Brasil e do mundo, nesta sexta-feira, 19 de novembro.


Jornais de Manaus


Manaus Hoje

Irmãos assassinados

Dez Minutos
Armas levadas por alunos são achadas em escolas públicas

Jornais do Amazonas

Diário do Amazonas

Escolas aceitam até produtos e serviços em troca de dívidas

Jornal Commercio
Município arrecada menos 4,6% em outubro

Em Tempo
Pão por voto

A Crítica
Irmãos sao mortos ao reagir assalto

Jornais nacionais

Folha de São Paulo
Mantega aceita convite de Dilma e fica na Fazenda

Jornal da Tarde
IPVA de carro fica 7,2% mais barato

O Estado de São Paulo

Mantega fica e Meirelles exige autonomia para continuar

O Globo
De Silva para Rousseff - Dilma convida, mas Meirelles só fica com autonomia no BC

O Dia
Governo financia casa própria com TV, fogão, geladeira, sofá e cama

Jornal do Brasil
A classe C levanta voo

Valor Econômico

Empresas têm resultados recordes no 3º trimestre

Correio Braziliense

Dilma vai definir bancos, estatais e área econômica

Diário da Manhã
Boom imobiliário em Goiânia

O Popular
Acidentes em estradas já mataram 755 neste ano

Estado de Minas
Meirelles deve deixar BC. Mantega fica na Fazenda

Hoje em Dia

Polícia desmonta base do tráfico humano em Valadares

A Tribuna

Motoristas de ônibus decidem entrar em greve  a partir de terça

Jornal do Comércio
Cai a liminar do novo Enem

Diário do Nordeste

Siderurgíca inicia obras no 2º trimestre de 2011

O Povo
PM do Ceará quer expulsar 300 policiais

A Tarde
Novas regras para as matrículas escolares já valem para 2011

Tribuna da Bahia
Importados batem recorde e são 22,7 do consumo do país

Diário do Pernambuco
Os intocáveis de Dilma

Gazeta de Alagoas
Obra do PAC está parada em Maceió

Diário do Pará
Justiça veta prova do Enem

O Liberal
CNJ anula decisões de mutirão carcerário

Correio do Povo
Mantega fica na Fazenda

Gazeta do Povo
Estiagem faz país dobrar gasto com termelétricas

O Estado Paraná
Rossoni caminha para aclamação

Diário Catarinense

Mantega continuará ministro da Fazenda

Zero Hora
Yeda volta a ser ré em ação para reaver verbas do Detran

Jornais internacionais

El País

Nova estratégia da Otan põe fim à guerra fria com a Rússia

Diário de Notícias
Auditório revela má gestão nos hospitais

Correio da Manhã
Defesa sem dinheiro para salários

International Herald Tribune

Apesar do desenvolvimento econômico, Índia continua mergulhada na pobreza

Le Monde
Maioria dos franceses vê o aquecimento global como uma ameaça

The New York Times

Com ausência do ganhador, painel do Nobel não entregará o prêmio da paz

El Clarin
Uma decisão condena governo a pagar 70% para aposentados

FHC e Franklin Martins participam de seminário sobre liberdade de imprensa

Evento vai discutir o controle social da mídia e seus reflexos sobre a legislação, além da liberdade de imprensa nas TVs públicas e a relação entre as novas mídias e a liberdade de expressão.


Seminário vai discutir o controle social da mídia e seus reflexos sobre a legislação, a liberdade de imprensa nas TVs públicas e a relação entre as novas mídias e a liberdade de expressão.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o ministro do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto e o ministro-chefe de Comunicação Social da Presidência da República, Franklin Martins, participam do Seminário Cultura de Liberdade de Imprensa, que será realizado nos dias 25 e 26/11, nos estúdios da TV Cultura, em São Paulo. O evento será transmitido ao vivo pela internet.

O seminário discutirá o chamado controle social da mídia e seus reflexos sobre a legislação, a liberdade de imprensa nas TVs públicas e a relação entre as novas mídias e a liberdade de expressão.

O encontro também contará com jornalistas, juristas e parlamentares para as mesas de debate. Entre os confirmados estão o juiz Rodrigo Collaço, o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) e os jornalistas Américo Martins (Rede TV), Bob Fernandes (Terra), Eugênio Bucci (ECA-USP), Merval Pereira (O Globo/CBN), Ricardo Kotscho (revista Brasileiros), Ricardo Gandour (O Estado de S. Paulo), Sérgio Dávila (Folha de S. Paulo) e Sidnei Basile (Grupo Abril).

Além disso, o seminário receberá juristas e jornalistas de outros países da América Latina para o debate. Os interessados poderão acompanhar o evento, nos dias 25 e 26/11 das 9h às 18h, pelo site da TV Cultura.

Do Comunique-se

 

 

1
.

Powered by Joobi